O discípulo é um conquistador – Parte 2

Continuando a série sobre Vida de Discípulo, devemos lembrar que o discípulo é um conquistador!

Salvação é graça de Deus. Não há nada que possamos fazer para merecer a salvação, basta que tenhamos fé. Já para ser um conquistador temos que batalhar, temos que ser guerreiros! O discípulo deve respeitar princípios de Deus. Dois deles foram comentados na mensagem anterior: a) Aplique obediência e fé nas promessas de Deus e b) Oração, jejum e votos.

Ter a armadura de Deus.

Em 1 Pedro 5:8, o Apóstolo Pedro fala “sejam sóbrios e vigiem. O diabo, o inimigo de vocês, anda ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar”.

Pedro faz uma comparação do inimigo com um leão rugindo e que tenta amedrontar as pessoas, querendo devorá-las. Ele manda que sejamos sóbrios e que vigiemos.

Não podemos tratar o inimigo como se ele não existisse.

É um princípio de guerra que tenhamos conhecimento sobre o inimigo para que possamos nos preparar contra ele.

O mundo espiritual é tão real quanto o material. O inimigo se comporta como um agressor; ele intimida as pessoas; ele quer destruí-las. O inimigo sabe que não conseguirá retirar a nossa salvação, mas também sabe que se ele conseguir fazer com que desanimemos diante dos problemas, com que não demos frutos, já será vencedor. Assim, ele quer desviar nossa fé, quer que percamos nossa fé, que não demos frutos; então coloca algumas situações para nos atormentar, nos desanimar.

Mas o escudo da fé detona “as flechas inflamadas” que o inimigo manda.

Paula fala em Efésios 6:10-18: “Finalmente, fortaleçam-se no Senhor e no seu forte poder. Vistam toda a armadura de Deus, para poderem ficar firmes contra as ciladas do diabo, pois a nossa luta não é contra pessoas, mas contra os poderes e autoridades, contra os dominadores deste mundo de trevas, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais. Por isso, vistam toda a armadura de Deus, para que possam resistir no dia mau e permanecer inabaláveis, depois de terem feito tudo. Assim, mantenham-se firmes, cingindo-se com o cinto da verdade, vestindo a couraça da justiça e tendo os pés calçados com a prontidão do evangelho da paz. Além disso, usem o escudo da fé, com o qual vocês poderão apagar todas as setas inflamadas do Maligno. Usem o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus. Orem no Espírito em todas as ocasiões, com toda oração e súplica; tendo isso em mente, estejam atentos e perseverem na oração por todos os santos”.

Paulo começa a descrever o fardamento de guerra do soldado romano e faz uma comparação com a armadura de Deus. Cada peça do soldado romano corresponde a uma arma de Deus, quais sejam:

1. Capacete da salvação. O capacete serve para proteção da cabeça. Então, serve para proteger a mente, onde está a alma do ser humano. A batalha começa na mente, e precisamos que Cristo domine nossa mente, que Ele esteja no comando da nossa vida. Jesus deve ser nosso Senhor e Salvador.

2. Couraça da Justiça. Nós nos tornamos justos porque Jesus nos justificou na cruz. Ele pagou o preço dos nossos pecados e o sangue dele nos tornou justos, mas precisamos praticar essa justiça em nossa vida, corrigir erros, perdoar, não deixar o mal dominar nosso coração. Não podemos continuar a praticar o que não é correto.

3. Cinto da verdade. O cinto protege áreas frágeis do nosso corpo, órgãos internos que são vulneráveis em uma luta armada. O cinto também segura a espada do guerreiro. Então a verdade na nossa vida funcionará como uma grande proteção. E a verdade está relacionada a tudo aquilo que Deus quer que utilizemos para combater a mentira, que não deve estar presente na nossa vida. A verdade sempre deve prevalecer por mais que seja dolorosa.

Deus trabalha com a verdade: “E conhecerão a verdade e a verdade vos libertará” (João 8:32).

4. Sandálias do Evangelho da Paz. Sandálias protegem os pés, um guerreiro sem calçado estará frágil e facilmente poderá ficar fora de combate. O calçado ajuda a movimentação do guerreiro, então, onde estiver, o Evangelho deve estar presente em sua vida. Todos devemos nos identificar como um filho de Deus, pronto a levar o Evangelho para outras pessoas, onde quer que estejamos.

E o Evangelho opera a paz na vida de todas as pessoas, porque o Reino de Deus é um reino de paz. Jesus é o príncipe da paz. Isso gera proteção.

5. Escudo da fé. Sem fé, não podemos agradar a Deus. A fé faz com que os dardos inflamados do maligno sejam destruídos. O inimigo vai querer nos testar para saber se nossa fé é verdadeira e Deus permite, para que Ele também tenha esse conhecimento.

O escudo da fé nos protege; cada murmuração, reclamação, é um sinal de fraqueza da fé, e o escudo afasta o ataque do inimigo.

6. Espada do Espírito. A espada é a palavra de Deus, que deve estar presente na vida do servo de Deus.

Hebreus 4:12: “Pois a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais afiada que qualquer espada de dois gumes; ela penetra ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e julga os pensamentos e intenções do coração”.

Devemos meditar a palavra e aplicá-la. Tudo há de ser feito mediante orações, e orações segundo a vontade de Deus! Não é conveniente orarmos sobre o que não convém a Deus. Ainda, as orações devem ser incessantes!

Adoração contagiante: é aquela que alcança o coração de Deus e o coração das pessoas.

Devemos provar o máximo da vida de um discípulo!

Em Lucas 7:36-50, um dos fariseus convidou Jesus para que fosse jantar com ele; Jesus foi jantar na casa desse fariseu e ali surgiu uma mulher daquela cidade, uma “pecadora”, que soube que Jesus estava ali. Ela foi com um frasco de alabastro com perfume. Estando aos pés de Jesus, ela molhou os pés de Jesus com suas lágrimas e os secou com seus cabelos, os beijou e os ungiu com o perfume.

Simão, o fariseu, repreendeu a mulher, dizendo ser uma pecadora, mas Jesus o advertiu, afirmando que ela o havia recebido com muito amor e estava perdoada.

A mulher nos ensina que não importa o que temos que enfrentar para chegar aos pés de Jesus, porque ela venceu todo tipo de obstáculo e crítica para desfrutar da presença de Deus e foi considerada pelo senhor como aquela que muito o amou.

Outro tipo de adoração contagiante é aquela adoração que alcança as outras pessoas.

Em Atos 16:16-39, Paulo e Silas foram presos injustamente. Eles haviam expulsado o espírito maligno de uma menina que adivinhava as coisas para os seus senhores enriquecerem, e a Bíblia diz que eles, em praça pública, foram arrastados, humilhados, envergonhados, açoitados, presos e amarrados em um tronco.

Haverá momentos na nossa vida em que seremos envergonhados, açoitados; que algum tipo de dor, dificuldade ou injustiça poderá parecer que estará nos prendendo, mas um verdadeiro adorador jamais será preso por alguma corrente.

E a Bíblia diz que Paulo e Silas estavam adorando mesmo na dor. Nada pode prender o coração de um adorador!

A Bíblia fala ainda que houve um grande terremoto e Paulo e Silas deixaram a prisão. A prisão só dura o tempo que Deus permitir. A dor e o sofrimento somente dura o tempo que Deus permitir.

A adoração contagiante é um estado do nosso coração. Naquele louvor, naquela oração, em que as portas se abriram para Paulo e Silas, o carcereiro quis saber o que estava acontecendo e então Paulo pregou o Evangelho. Paulo e Silas permaneceram, não fugiram, e naquela noite o carcereiro e toda a sua família foram batizados e salvos.

Não podemos perder o foco. A vida plena de discípulo é provar tudo o que Jesus nos proporciona, mesmo coisas que não sejam boas.

Adoração está ligada a um coração alinhado com o Senhor.

Em qualquer local, em qualquer circunstância, devemos estar cheios do Espírito Santo: pensar, sentir e agir dirigidos pelo Espírito Santo, independente das circunstâncias.

Tudo começa com um desejo no coração: querer mais Deus em nossa vida, querer que Deus se alegre mais e mais com nossas ações; desejar ser um discípulo conquistador apesar de qualquer circunstância, porque, para o discípulo, o final da história não vem com um momento de dificuldade! Um discípulo tem uma força interior que vem de Deus!


Pastor: Jefferson e Claudia Borges

Data: 10/11/2019

A Nova Igreja Batista (NIB) do Paraná em Cascavel é uma igreja  para toda a família, que acredita na alegria de ser cristão e no prazer de compartilhar essa alegria com outras pessoas, para que recebam a Palavra de Deus, amor e salvação em Cristo. 

SOBRE NÓS

Dízimos e Ofertas

Banco do Brasil

Ag. 4693-0  |  Conta 12508-3

Sicoob

Ag. 4370-2  |  Conta 26490-3

Cnpj: 08.683.688/0001-63

(45) 3035-4190 / 99935-2261 (VIVO)

Rua Carlos de Carvalho, 3289  

Centro (Esquina com Rua Santa Catarina) - CEP 85801-130

Cascavel – Paraná – Brasil

nibpr@hotmail.com

  • Grey Facebook Icon
  • Cinza ícone do YouTube

© 2018 por Nova Igreja Batista do Paraná.